• Daniel Duncan

MELHORES FILMES DE COMÉDIA DE 2020

A temporada de premiações está prestes a começar e, para que você não fique perdido, confira a seguir uma lista com os melhores filmes de comédia de 2020.




On the Rocks

de Sofia Coppolla

A simplicidade aparente do novo filme de Sofia Coppolla é a chave de sua substância: um olhar penetrante nas conveniências da riqueza e o tédio da vida em matrimônio. A história acompanha uma escritora nova-iorquina chamada Laura (Rashida Jones), que mora em um luxuoso loft com seu marido, Dean (Marlon Wayans), um empresário de tecnologia. Um dia Laura suspeita que Dean tem uma amante. Ao saber das suspeitas, seu pai, Felix (Bill Murray), convence a filha a espionar o marido pelas ruas de Nova York. No caminho, pai e filha irão confrontar as feridas abertas do passado.


Bad Trip

de Kitao Sakurai

Estrelando Eric Andre (The Eric Andre Show) e Lil Rel Howery (Get Out), Bad Trip é uma mistura de road movie com um programa de pegadinhas e, por mais estranho que isso possa parecer, a combinação deu muito certo. A história segue dois melhores amigos que embarcam em uma viagem da Flórida até Nova York para que um deles possa se declarar para uma antiga paixão do colégio. Apesar de ficcional, o filme investe no improviso a partir de uma estrutura pré-delineada, capturando reações reais dos populares com câmeras escondidas, algo que certamente vai agradar os fãs de The Eric Andre Show.


The King of Staten Island

de Judd Apatow

O novo trabalho de Judd Apatow é mais um filme sobre adultos que permanecem adolescentes, porém, Apatow oferece mais do que outra versão do arquétipo. A história acompanha Scott, um rapaz de 24 anos que não trabalha, não estuda e ainda vive com a mãe. O pai, bombeiro de profissão, morreu num incêndio quando Scott ainda era garoto e, embora finja muito bem, a verdade é que ele nunca foi capaz de superar a tragédia. Quando sua mãe arruma um novo namorado, Scott precisa finalmente sair de casa. Baseado em uma história semi autobiográfica sobre a vida de Pete Davidson, que protagoniza o filme, The King of Staten Island é uma fábula moderna sobre um jovem que perdeu o ritmo da própria vida e precisa de ajuda para seguir em frente.


Palm Springs

de Max Barbakow

Quando Nyles, um homem relaxado e sem preocupações, conhece Sarah em um casamento, ele se vê incapacitado de deixá-la ou deixar o local, revivendo o mesmo dia de novo e de novo. A essa altura do campeonato, podemos dizer que o filme Feitiço do Tempo foi responsável pela criação de um novo gênero de filmes. Edge of Tomorrow, Happy Death Day e Russian Doll são apenas alguns dos títulos que bebem descaradamente da comédia estrelada por Bill Murray em 1993. Palm Springs segue o mesmo modelo, embora adicione no caminho elementos novos a fórmula original. O resultado é uma comédia bem construída sobre amor e existencialismo. Familiar, mas diferente.


Dick Johnson Is Dead

de Kirsten Johnson

Ao perceber os primeiros sinais de demência do pai, a cineasta Kirsten Johnson resolve encenar a morte dele algumas vezes, para que todos se acostumem com a sua inevitável partida. Essa mórbida premissa é o ponto de partida para uma das comédias mais comoventes e divertidas dos últimos anos. Oscilando entre conversas íntimas e esquetes metaficcionais, o documentário funciona quase como uma terapia cinematográfica, refletindo sobre a incerteza incômoda em torno do destino de seu personagem. Um filme que ensina que, por mais difícil que possa ser, é preciso abraçar a vida e a morte ao mesmo tempo.


Kajillionaire

de Miranda July

Das poucas coisas boas que aconteceram em 2020, a volta de Miranda July atuando como diretora certamente é uma delas. Escrevendo e dirigindo desde 1996, seu mais recente trabalho é a convergência de todas as habilidades adquiridas ao longo dos anos, exibindo um estilo próprio de fazer cinema que qualquer pessoa teria dificuldades de definir. Kajillionaire segue Old Dolio, uma jovem que vive na Califórnia e ajuda os pais charlatões a cometer pequenos trambiques. Durante um deles, a família se envolve com Melanie, que desperta sentimentos inesperados em Old Dolio. Frustrada com sua vida de golpista e com a falta de afeto familiar, ela foge com Melanie em uma jornada de autodescoberta. O filme é um mergulho profundo e bem humorado na negligência afetiva, e tem tudo para se tornar um clássico moderno.


Bad Education

de Cory Finley

Já considerado por muitos o melhor filme da carreira de Hugh Jackman, Bad Education é uma comédia de humor negro baseada em fatos reais que acompanha Frank Tassone, um superintendente de uma prestigiada escola americana. A vida dele vira ao avesso quando uma aluna resolve investigar uma custosa empreitada prestes a acontecer, o projeto Skywalk, e acaba descobrindo uma série de fraudes na contabilidade do colégio. O roteiro escrito por Mike Makowsky é uma aula de economia, onde as informações são distribuídas de tal forma que cada reviravolta se torna especial. Ao fim, Bad Education é um grande conto sobre sociopatia e as consequências da conivência ao crime.


Mandibles

de Quentin Dupieux

Quentin Dupieux está de volta. O diretor francês responsável pelas comédias Rubber, Au Poste!, Deerskin e tantas outras repletas de vazio existencial, retorna com uma fábula sobre dois amigos que encontram uma mosca gigante presa no porta-malas de um carro. Eles decidem treiná-la, na esperança de ganhar muito dinheiro. Apesar do plot ter saído de alguma atração ruim da Sessão da Tarde, as referências técnicas e cinematográficas de Dupieux são mais ecléticas que a maioria das comédias americanas, criando aqui um filme visualmente rico, divertido, mas também com sua própria marca pessoal de estranheza.


The Personal History of David Copperfield

de Armando Iannucci

O diretor de um dos melhores filmes dos últimos anos, The Death Of Stalin, está de volta com uma nova comédia de época. Desta vez, Armando Iannucci deixa de lado a sátira política e foca na curiosa história de David Copperfield. Baseado no romance de Charles Dickens, o filme narra a vida do artista, da infância até a maturidade. Após se tornar órfão, ele navega em um mundo caótico em busca de um lugar que possa chamar de seu.


The Climb

de Michael Angelo Covino

Uma das grandes surpresas de 2020, The Climb é uma brilhante reinvenção das comédia de amigos. Escrito por Michael Covino e Kyle Marvin, que também protagonizam o filme, The Climb conta a história de dois homens entrando em uma espiral de desgosto e raiva depois que um deles revela que está dormindo com a noiva do amigo. Apesar de partir de um lugar bastante comum, o filme dirigido por Covino possui uma ambição cinematográfica impressionante. As piadas são construídas com bons diálogos, movimentações de câmera pouco exageradas e conflitos movidos a testosterona, tudo isso enquanto explora a fragilidade das superfícies masculinas.